“Sniper Americano”: Um Filme Mediano de Eastwood

01Sniper Americano, novo longa de Clint Eastwood, conquistou recentemente um feito memorável: o filme foi o maior lançamento hollywoodiano na história para o mês de janeiro – batendo um recorde que pertencia, até então, ao megalomaníaco Avatar, de James Cameron. Esse fato ilustra uma verdade: o público norte-americano é patriota e dá valor ao seu país. Sniper Americano arrecadou mais de US$ 200 milhões apenas nos EUA e 6 indicações ao Oscar 2015, incluindo o prêmio de melhor filme – mas isso não faz de Sniper Americano uma produção isenta de defeitos ou acima da média.

O filme é uma adaptação da autobiografia de Chris Kyle, um soldado de elite do exército norte-americano, considerado o atirador mais letal da história. Após anos servindo seu país, o combatente morreu em 2013 durante um exercício de tiro no Texas, quando foi assassinado por um veterano de guerra com problemas psicológicos. A narrativa acompanha Chris em suas quatro missões, período em que matou mais de cem pessoas – se tornando, assim, uma lenda viva em sua corporação.

Sniper Americano é aquele típico filme que Hollywood adora levantar a moral (concedendo-lhe inúmeros elogios) e capaz de levar milhares ao cinema – mas nem sempre cumprindo com sua proposta. Não que a fita seja ruim; a bem da verdade, há um ponto em Sniper Americano que é irrepreensível: a atuação de Bradley Cooper, que lhe rendeu uma indicação ao Oscar de melhor ator. O bonitão ganhou uns quilos e músculos a mais e ficou fisicamente impecável, mostrando total entrega em sua performance. Cooper ganhou o respeito de muita gente se distanciando do belo rapaz de olhos claros que protagonizava comédias românticas estúpidas e provando que é um artista de talento. A parte esse quesito, há de se mencionar o ótimo trabalho de fotografia do longa, assim como sua edição, som e efeitos especiais, cuja qualidade ficava explícita nos momentos mais oportunos da trama.

02

Entretanto, talvez dois pecados sejam bastante perceptíveis: o roteiro de Jason Hall e a direção de Clint (ou talvez, seja um ou outro e não temos como saber quem necessariamente é o culpado). Apesar de Clint se posicionar de forma competente nas cenas de ação, o cineasta perde a mão nas sequências mais dramáticas, onde as questões familiares e pessoais de Kyle foram tratadas com total superficialidade. Talvez, a ideia aqui era fazer de Chris um grande herói de guerra (como o realmente pode ter sido), mas o roteiro não foi capaz disso. Como resultado, quem vê Sniper Americano fora do olhar norte-americano não consegue se identificar com sua personagem central e chega até mesmo a achar irreal sua obsessão. Em outras palavras, a vida privada de Chris é deixada de lado – e quanto mais isso acontece, mais desumano ele se torna.

Apesar dos primores técnicos, Sniper Americano não é um filme que tende a agradar ao público fora dos EUA. Aliás, se por lá a crítica especializada já não é unanime, quem dirá fora deste contexto. Sniper Americano vem recebido uma enxurrada de comentários negativos por conta de sua propaganda de guerra – afinal, cá entre nós, louvar como herói um homem que tirou a vida de tanta gente é, no mínimo, hipocrisia (mesmo que ele tenha salvo a vida de outros tantos). Por mais que contenha algumas cenas incríveis (especialmente os créditos finais acompanhados com a trilha de Ennio Morricone, que é uma ode de amor de Clint à sua terra natal), Sniper Americano funciona muito mais como um anúncio e engrandecimento do povo norte-americano do que uma biografia elogiável – e prova, como nunca, que mesmo um filme mediano de um diretor conceituado ainda assim será mediano.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s