“A Dama Dourada”: Um Filme Para Inglês Ver

A sequência inicial de A Dama Dourada nos traz uma mulher posando para uma pintura – mais tarde, descobrimos que trata-se do retrato de Adele Bloch-Bauer, feito pelo artista simbolista Gustav Klimt. Em seguida, somos levados para o ano de 1998 e acompanhamos os esforços de Maria Altmann (Helen Mirren), uma judia sobrevivente da Segunda Guerra Mundial, em recuperar o referido quadro, que teria sido roubado de sua família pelos nazistas durante o período de ocupação alemã na Áustria. Para tanto, Altmann enfrenta uma batalha acirrada contra o governo austríaco para reaver a obra de arte  que, na ocasião, estaria exposta em um museu na cidade de Viena.

02

Dirigido por Simon Curtis (de Sete Dias Com Marilyn, de 2011), A Dama Dourada é uma típica produção britânica. O que isso quer dizer? Não espere um filme que te emocionará ou trará alguma reflexão muito profunda. A Dama Dourada conta apenas uma história e nada alem disso. Não que isto atrapalhe o produto final. Na verdade, A Dama Dourada é uma boa cinebiografia (até mesmo melhor do que a de Norma Jeane, do mesmo cineasta, vamos admitir), que se desenvolve sobre dois eixos distintos: o primeiro, atual, que refaz a busca pessoal da protagonista para reaver o que é seu por direito; e o segundo que transporta a narrativa aos cruéis anos do Holocausto, recorrendo a flashbacks para recriar os acontecimentos do passado.

No entanto, o argumento não é totalmente redondo. A Dama Dourada não se aprofunda em nenhum dos dois extremos: não chega a emergir no drama dos personagens diante dos horrores da guerra, mas tampouco cria muita expectativa com as cenas de tribunal. Compensa praticamente toda essa deficiência na ótima atuação de Helen Mirren – que, apesar de não ser austríaca, claro, consegue compor um tipo curioso com seu sotaque arrastado e seu grau de cultura e refinamento. Ryan Reynolds, por sua vez, faz um personagem pouco carismático, aquele meio atrapalhado e que devido ao seu péssimo desenvolvimento, não consegue convencer como o bom moço. Apesar disso, Mirren favorece até mesmo o restante do elenco. É interessante notar como as motivações dessas duas pessoas caminham em direções opostas no decorrer da fita: enquanto Altmann reconhece suas limitações diante do caso e passa a encarar a realidade com maior discernimento, o advogado acredita cada vez mais na vitória – um fortalece o outro nos momentos de maiores incertezas.

01

A Dama Dourada está longe de ser uma obra-prima – e arriscaria dizer que tecnicamente poderia ter sido melhor (ainda mais por se tratar de um filme sobre “arte”). Faltou talvez uma trilha sonora marcante ou uma fotografia mais forte, algo que proporcionasse certa identidade visual ao longa. É fato que A Dama Dourada tinha um grande potencial, mas perdeu muito de sua força por não ter um propósito maior exceto apenas contar um fato. Em determinado instante no final da trama, um dos personagens suplica à filha “Lembre-se de nós”, em uma curta porém bela cena – como se o diretor também fizesse esse apelo ao público com relação ao filme. Mas será que A Dama Dourada é capaz de despertar isso?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s