“A Lei da Noite”: Ben Affleck Aposta em História de Mafioso em Seu Novo Filme

Escrito, dirigido e protagonizado por Ben Affleck (por quem eu assumidamente não mantenho a menor simpatia), A Lei da Noite é, para alguns, um dos maiores esnobados das principais premiações em 2017. Lançado nos EUA no final de dezembro do ano passado, o filme, entretanto, foi um fiasco de bilheteria – uma das menores da carreira de Affleck, o que lhe custou um prejuízo de mais de U$ 70 milhões e deixou uma dúvida no ar com relação ao sempre questionável talento de seu idealizador (que, definitivamente, é muito melhor cineasta do que ator, apesar de lhe faltar certo brilhantismo em qualquer uma dessas áreas).

Narrado em primeira pessoa com um desnecessário recurso off, A Lei da Noite conta a história de Joe Coughlin, um veterano de guerra e filho de um capitão de polícia que acaba se envolvendo com o crime organizado. Após ser traído por sua amante e ficar à beira da morte, Joe pede proteção para o chefe da máfia italiana, Maso Pescatore, que o incube de comandar as atividades do cartel na costa da Flórida. Motivado por um profundo desejo de vingança contra o mafioso Albert White, Joe recomeça sua vida ao lado de Graciela, enquanto tenta administrar seus negócios oriundos de atividades ilegais e as rivalidades que o ameaçam.

01

Talvez o que mais prejudica A Lei da Noite é a falta de objetivo em seu roteiro. É um filme sobre máfia, mas falta se aprofundar no tema, apesar de todos os elementos inerentes a ele estarem presentes. Flerta depois com um romance que poderia facilmente ser descartado, já que não faria a menor diferença na trama. Poderíamos até embarcar em um drama sobre vingança, mas a obsessão do protagonista por seu rival se esvaece ao longo das duas longas horas de produção – e quando os inimigos estão frente a frente não há um clímax à altura. A Lei da Noite se apoia basicamente na velha disputa da máfia para consolidar seu território, mas o ritmo da narrativa é muito comprometido pelo excesso de diálogos. Muita fala, pouca ação – e isso para quem espera um filme “alucinante” é quase uma decepção.

No mais, A Lei da Noite nos apresenta uma ambientação muito boa (e isso eu confesso que a Academia, por exemplo, poderia ter olhado mais de perto). Apesar do uso de CGI para dar uma rejuvenescida em Affleck (que aqui parece ligado no modo automático – mas quando não?) que incomoda, o design de produção e figurinos do longa são bem convincentes – como é, a bem da verdade, A Lei da Noite como produto final. Dizer que o filme é ruim é ser muito cruel com Ben Affleck, que visivelmente se esforça e entrega uma obra que não chega a ser tudo aquilo que propõe, mas quase chega lá. A Lei da Noite é competente e consegue ser um bom entretenimento; perde apenas por não ser tudo o que deseja.

Surpreendente, Johnny Depp é a Maior Atração de “Aliança do Crime”

Década de 1970, sul de Boston. A região é controlada por James ‘Whitey’ Bulger, um criminoso comum de origem irlandesa, irmão de um recém eleito senador estadual. A zona norte da cidade, por sua vez, é dominada por ítalo-americanos chefiados por Gennaro Angiulo. Para combater este último grupo, o agente do FBI John Connolly, também criado na parte sul da região, faz um acordo com Bulger, seu amigo de infância (e por quem nutre uma profunda gratidão), transformando-o em um informante protegido da polícia norte-americana. Entretanto, essa aliança entre o bandido e o FBI permite que Bulger não apenas elimine a concorrência, mas também se torne um dos maiores chefões do crime da história dos EUA.

01

Dirigido por Scott Cooper (de Coração Louco e Tudo Por Justiça), Aliança do Crime pode parecer mais uma típica produção americana sobre a máfia – um gênero que hora ou outra aparece por aí (talvez devido à relação de extremo amor e ódio do americano com seus criminosos, vai saber…). O longa de Cooper, na verdade, é até “genérico”: pouco inova no tema, ousa ainda menos e nem é tão grandioso tecnicamente. Enfim, Aliança do Crime seria apenas “suficiente”, não fosse Johnny Depp, que realmente carrega quase que completamente o filme nas costas. Há tempos nos devendo uma atuação à altura de seu talento, parece que Depp voltou à sua boa forma, nos entregando uma performance contida, sinistra e ameaçadora. Aclamado no último Festival de Veneza, Depp é cogitado, inclusive, à indicação de melhor ator na próxima cerimônia do Oscar.

E devo admitir, não apenas como um fã inveterado do ator, que Depp fez sim um excelente trabalho, até mesmo se levarmos em consideração o quão confuso é o roteiro de Mark Mallouk e Jez Butterworth. Bulger não é devidamente desenvolvido; há algumas lacunas no argumento que deixam o espectador meio perdido, além do excesso de didatismo de alguns trechos. Afinal, quem é Bulger? O que ele fez para ser tão “fantástico” assim como mafioso? Ele trafica drogas? Faz falcatrua em jogos clandestinos? Lava dinheiro? Isso nunca fica claro e assim o público não consegue digerir muito bem a idéia de que ele é o “todo poderoso” do crime – só vemos seus comparsas falando isso a todo instante, mas não sabemos o que ele efetivamente executa para merecer tal alcunha; só ouvimos dizer que ele se tornou pior após a morte do filho ou da mãe, mas ele não demonstra nenhuma grande oscilação de comportamento ao longo da película.

02

Sua relação com a família também é estranha: se por um lado ele demonstra um amor incondicional pelo filho e pela mãe, o mesmo não se pode dizer do sentimento de Bulger pela esposa e pelo irmão. Enquanto a primeira sai de cena de uma hora para outra sem nenhuma explicação, o relacionamento com irmão é ainda mais complicado e deveria ter sido melhor explorado – aproveitando mais Benedict Cumberbatch, inteiramente ignorado. Talvez o único ponto positivo a ser tirado de tudo isso é que, dessa forma, o personagem não cria empatia, mas sim medo. Sua presença causa certa tensão no ar. Diferente de outros bandidos, ele não é carismático, mas um psicopata intimidante. Três cenas servem de exemplo: na primeira, Bulger ensina ao filho que bater no colega da escola não é errado, mas ser visto fazendo isto sim. Na segunda, com tremendo sarcasmo, ele sugere a um agente do FBI durante um jantar que ele o trairia, já que o policial acabara de revelar uma receita secreta de família. Finalmente, Bulger insiste em subir ao quarto de um amigo para conversar com a esposa que se recusara a fazer “praça” para ele durante uma pequena confraternização.

03

Aliança do Crime é um filme que poderia ter sido muito melhor aproveitado, até mesmo por conta do baita material que o diretor e roteiristas tinham em mãos. Ao invés disso, preferiu pisar em terreno firme, arriscando quase nada e desperdiçando um ótimo elenco. Apesar de ter um ritmo bacana (por conta, sobretudo, da excepcional trilha sonora de Tom Holkenborg, que deixa um clima de apreensão a todo minuto), Aliança do Crime procura delinear sua trama de forma mais intimista, sem exaltar a figura de sua personagem central, mas fazendo com que o público se sinta desconfortável com ele – a única coisa que o diferencia dos demais produtos do gênero. Aliança do Crime não vai passar despercebido (mesmo porque é Johnny Depp quem está à frente do projeto), mas considerando a magnitude da história envolvida, poderia ter sido algo infinitamente mais interessante.

Os Bons Companheiros

Há muitas discussões sobre qual seria o melhor filme de máfia já produzido. Há os que apontam O Poderoso Chefão no topo da lista (ou mesmo sua continuação, de 1974), considerando a obra-prima de Copolla como o maior representante deste tipo de narrativa. De fato, O Poderoso Chefão, como um todo, revolucionou o gênero e tem sua importância cinematográfica indiscutível. No entanto, enquanto O Poderoso Chefão foi responsável por “romantizar” os gangsteres (transformando-os em marginais “elitizados”, de bom coração e que só matavam em nome da honra), Martin Scorsese ia ainda mais fundo em Os Bons Companheiros, mostrando uma faceta cruel e indigesta, como realmente é: violentos e perversos, os mafiosos são bandidos como qualquer outro. É este retrato frio sobre a máfia que torna Os Bons Companheiros um título obrigatório para quem gosta de cinema.

05

Baseado no livro Wiseguy, de Nicholas Pileggi (que dividiu os créditos de roteiro com o próprio Scorsese), Os Bons Companheiros recria a trajetória de Henry Hill no mundo do crime, junto com seus comparsas Jimmy Conway e Tommy DeVito (formado pelo incrível trio Ray Liotta, Robert De Niro e Joe Pesci). Fascinado pela vida luxuosa proporcionada pelos gângsteres de seu bairro, Henry se inicia ainda jovem no crime, trabalhando para o chefão local até se firmar como um dos mais respeitados bandidos das redondezas. Apesar de desaprovar a violência exagerada de seus parceiros, sua ambição e ganância acabam sempre falando mais alto, o que faz com que o rapaz se envolva em situações perigosas – para ele, os riscos de ser preso tornam-se aceitáveis diante de tudo aquilo que pode conquistar. Anos depois, Henry é capturado e condenado, mas decide colaborar com o FBI e entrar para o programa federal de proteção a testemunhas.

Com um estilo quase documental, Os Bons Companheiros causou grande impacto por mostrar o cotidiano sanguinário da máfia, diferente dos filmes anteriores. Com uma habitual narração em off (marca registrada de Scorsese), o longa é dividido em duas partes: na primeira delas, o cineasta faz jus ao título e retrata, com certo clima de nostalgia, toda a intimidade daquele grupo de pessoas, em todo o esplendor de suas riquezas (com seus carros, roupas e mesas sofisticadas, distribuindo dólares por todos os lados); na segunda metade, entretanto, Scorsese nos revela a decadência de tudo aquilo que construiu no ato anterior – e aqui ocorre o choque de realidade. O crime realmente compensa?

04

Este trabalho de “desconstrução” fica ainda mais acentuado por conta da boa edição, que mantém um ritmo alucinante no início e diminui aos poucos no decorrer da fita. A trilha sonora (que é uma explosão de energia) acompanha a montagem e é imprescindível para a história – o desfecho, com o clássico My Way interpretado de maneira contagiante, é de tirar o fôlego. Martin ainda é feliz no uso que faz de sua câmera. Alem de capturar ótimos planos e movimentos, o diretor recorre a um recurso pontual: ele paralisa a cena no ápice da ação, enquanto a voz em off continua seu relato. E não pára por aí: em um dos momentos mais fantásticos, há um plano-sequência que segue o protagonista da saída do veículo até a mesa do restaurante – um marco cinematográfico, amplamente elogiado pelos cinéfilos e pela crítica.

Scorsese também consegue extrair atuações memoráveis de seu elenco. Se De Niro e Liotta são competentes em suas performances, Joe Pesci é, no mínimo, excepcional. Na pele do sádico e irreverente Tommy DeVito, Joe é simplesmente genial – não à toa, o ator levou pra casa um Oscar de melhor coadjuvante por sua atuação (dentre as seis categorias em que o longa concorreu, incluindo filme e direção). Apesar de não faturar os principais prêmios, Os Bons Companheiros ganha um lugar de destaque na filmografia de Scorsese – que, por si, já não precisa provar muita coisa. Com uma introdução estimulante, Os Bons Companheiros é, de longe, o filme definitivo sobre a máfia e uma das melhores produções norte-americanas de todos os tempos.