“Grandes Olhos”, de Tim Burton: Pena Não Ter Sido Tão Grande Assim

04Há aqueles que o amam, há os que o detestam, mas não há como negar que Tim Burton é um cineasta, no mínimo, pop. Em suas estreias, sempre é possível ver as salas de cinemas carregadas, tanto por aqueles que o veneram quanto pelos haters que aguardam o menor deslize do diretor (os pseudo críticos de plantão, geralmente levados pela repulsa natural a Tim). Por mais que não se queira admitir, todos esperam alguma coisa de Tim Burton (seja boa ou ruim). Não à toa, Burton, apesar de ter uma obra um tanto irregular mas facilmente identificável, é um dos nomes do cinema mais populares de sua geração. Grandes Olhos (Big Eyes), seu novo trabalho, é seu filme mais “sério” em anos (após uma sequência de fiascos e produções questionáveis) e também o que mais se distancia do universo que o artista criou e se tornou uma marca de sua filmografia.

Não sei dizer ao certo o quanto isso é bom – afinal, Burton nos apresentou a um mundo muito particular, cheio de fantasia, terror e imaginação, com seus personagens problemáticos, onde grotesco e belo se fundem. E é justamente isso que os fãs esperam quando assistem a um filme burtoniano. Portanto, é de se surpreender ver Burton dirigir a biografia de Margaret Keane, a artista plástica responsável por uma série de pinturas que foi uma das maiores sensações no mundo da arte durante os anos 50 e 60. No entanto, durante muito tempo a autoria dos quadros foi creditada a seu esposo – que também cuidava da divulgação e distribuição da obra. Anos depois, já separada de Walter, Margaret resolve processar o antigo companheiro e dar um fim às mentiras que carregou durante mais de uma década.

02

Com um orçamento modesto, estimado em míseros 10 milhões de dólares (uma ninharia perto dos 200 milhões de Alice in Wonderland, uma das maiores bilheterias do diretor – e por isso, há quem diga que isso é impossível conhecendo as extravagâncias de Burton), Grandes Olhos não é um longa burtoniano tradicional: tem um “Q” de filme alternativo, independente – muito diferente das melomaníacas produções do cineasta. Grandes Olhos é o menos Tim Burton dos filmes de Tim Burton: é o mais maduro e, consequentemente, o menos extravagante de sua carreira (vale lembrar que Burton é constantemente acusado de ter problemas com sua própria maturidade). O universo burtoniano até está ali, mas em menor escala. A própria personagem principal é uma espécie de alter ego de Tim: insegura, avessa à imprensa, tímida – um perfeito tipo burtoniano, ou seja, gente fora dos padrões convencionais (a cena em que Margaret fica constrangida ao ver seus desenhos sendo vendidos no supermercado é o mesmo que enxergar Burton retraído nas premiações em que participa, por exemplo). Margaret é tão insegura ao ponto de permitir que o marido assine suas pinturas – o que lhe asseguraria um bom casamento e a possibilidade de um futuro melhor para a filha (uma vez que Margaret já vinha de um relacionamento frustrado). Além disso, a história se passa nas décadas de 50 e 60 – e vale lembrar que, naquela época, “mulher” não tinha voz nem autonomia para nada e servia apenas para procriar e cuidar da casa e família. Logo, obra “de mulher” não vendia.

03

Com o roteiro escrito pela dupla Scott Alexander e Larry Karaszewski (que também escreveu Ed Wood, de 1994) nas mãos, Burton trata com sensibilidade o caso de Margaret – especialmente a luta constante que trava consigo mesma por conta da fraude que vive com o esposo. Burton é controlado, quase limitado, inovando muito pouco – o que não diminui Grandes Olhos; pelo contrário: essa leveza ajuda a conduzir a trama de forma sutil e nem um pouco cansativa. Como um drama, não há grandes momentos (okay, talvez tenha faltado uma cena memorável) e tudo é muito equilibrado, apesar de um ou outro deslize (algumas cenas em que Burton perde a mão e exagera). E o equilíbrio e exagero da fita estão explícitos justamente nas atuações dos astros principais. Enquanto Amy Adams é de uma sutileza incrível seja na voz e nos gestos (o que lhe rendeu um Globo de Ouro), Christoph Waltz, em uma desnecessária abordagem cômica, acaba aparecendo mais do que devia sem ter um personagem tão interessante quanto o de Amy. Em diversas vezes, era possível visualizar em sua performance resquícios de seu Hans Landa (de Bastardos Inglórios), com seu sarcasmo e humor ácido aflorando em trechos inoportunos. A tão comentada cena do tribunal poderia – e deveria! – ser incrível, não fosse o tom exacerbado de Waltz (que eu não sei se foi proposital ou limitação do ator mesmo).

01

Costumo dizer que Burton tem três tipos de filmes: os ruins (Planetas dos Macacos, Sombras da Noite), os bons (A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça, Sweeney Todd: O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet, Marte Ataca!) e os ótimos (Ed Wood, Peixe Grande, Edward – Mãos de Tesoura). Grandes Olhos está, a meu ver, na linha tênue entre o bom e o ótimo, com propensão ao primeiro. Possui um belo design de produção, fotografia e reconstituição de época, incluindo o figurino de Colleen Atwood. A trilha sonora do parceiro de longa data de Tim, Danny Elfman, também é precisa, apesar de nenhum trecho excepcional (PS.: se houve um grande momento musical na história, este ficou nas mãos de Lana Del Rey, com seu Big Eyes – injustamente esnobada pela Academia). Apesar de certas irregularidades (onde os defeitos de Burton como diretor ficam mais evidentes), Grandes Olhos é Burton fazendo cinema de “gente grande”, como Hollywood tanto prega. Nas mãos de qualquer outro cineasta, Grandes Olhos seria apenas mais uma história; com Tim, o filme se torna um curioso caso de superação e reconhecimento, provando que Burton sabe, sim, fazer cinema como qualquer outro e o faz quando e como quiser. Faltou pouco para Grandes Olhos ser uma obra-prima – talvez justamente aquele toque burtoniano que todo fã esperava…

Retrospectiva 2012 – Parte 2: Os Álbuns Que Não Postamos Por Aqui

Pois bem, nem só de cinema vive este ser que vos fala. Na verdade, uma das minhas grandes paixões na vida (certamente a minha primeira paixão artística e uma das mais fortes e expressivas em mim) é a música. Bom, nem sei o porquê falo isso, já que é difícil encontrar alguém na face da Terra que não curta ouvir uma boa música.

Dessa forma, seria indispensável aqui uma lista com alguns dos álbuns lançados em 2012. Não procurei seguir um critério específico, mas separei aqui os álbuns de artistas que, de certa forma, foram destaque (positivo ou negativo). Portanto, prepare-se e ouça nossas sugestões de discos que merecem ser ouvidos para fechar o ano (seja qual for o motivo). Boa música não vai faltar. Quer dizer…

MDNA – Madonna
A eterna rainha do pop (Lady Gaga, está lendo isso?) lançou, em março de 2012, seu 12º álbum. Madonna nunca foi cantora de grandes álbuns – mas de grandes singles. Portanto, MDNA recebeu críticas, em geral, positivas – mas de longe, não é um grande marco na carreira de Madonna. O primeiro single Give Me All Your Luvin conta com as parcerias de Nicki Minaj e M.I.A.

 

Living Things – Linkin Park
Diz o ditado popular que em time que está ganhando não se mexe. Desde sua estréia no mercado fonográfico, o Linkin Park foi uma das bandas mais cultuadas do cenário do rock. Entretanto, ao longo dos últimos anos, a banda tem apostado em novas sonoridades em seus discos e suas músicas, antes marcadas por batidas agressivas, acabou se tornando muito mais “clean”. Living Things, apesar de ter qualidade sonora  inquestionável, está aí pra provar isso.

livingthings
The Truth About Love – P!nk
Com um álbum muito bem elogiado pela crítica, P!nk se consagrou como uma verdadeira diva na música com The Truth About Love. O disco é um dos mais aclamados de sua carreira e trouxe P!nk de volta aos holofotes. O álbum ainda tem a participação do rapper Eminem e da cantora Lilly Allen.

 

Tudo Tanto – Tulipa Ruiz
Não esqueci de dar espaço para a música nacional. E um dos nossos melhores álbuns em 2012 foi Tudo Tanto, da cantora Tulipa Ruiz, que se tornou uma das maiores revelações brasileiras nos últimos tempos. Além de cantora e compositora, Tulipa dedica seu tempo à ilustração.

tudotanto
Southern Air – Yellowcard
Houve quem considerasse Southern Air, o último álbum da banda Yellowcard, como o melhor disco de 2012. Se é o melhor, não cabe a mim julgar. O fato é que realmente o álbum parece ter vindo para mostrar que os garotos tem talento e potencial para continuar na ativa durante muito tempo. É impossível não notar a maturidade da banda em relação à sonoridade e ao conteúdo de suas letras em comparação aos seus trabalhos anteriores.

southern
Lotus – Christina Aguilera
Após o injustiçado Bionic, Christina Aguilera estava passando por uma fase meio dark em sua carreira. Com Lotus, lançado há poucos meses, Christina provou que ainda tem fôlego (literalmente) para lançar bons álbuns. Encabeçado pelo primeiro single, Your BodyLotus não é o melhor álbum da carreira de Aguilera, mas deixa Christina em evidência entre as divas do cenário musical.

 

Unorthodox Jukebox – Bruno Mars
Unorthodox Jukebox é o segundo álbum da carreira de Bruno Mars, o primeiro após o sucesso Doo-Wops & Holligans, de 2010, que trouxe uma série de singles, como Just The Way You AreThe Lazy SongGrenade. Lançado há poucas semanas, o álbum recebeu boas críticas e, ao que tudo indica, deixa Mars tranquilo com relação à “maldição do segundo disco”…

jukebox
Born To Die – Lana Del Rey
Lana é o típico caso de artista que ou você ama ou você odeia. Dividindo críticas, Lana surgiu com força no cenário musical em 2012 e lançou neste ano seu álbum de estréia, o elogiado Born To Die, que obteve um sucesso comercial razoável. O primeiro single, Video Games, alcançou boas posições nas paradas mundiais.

borntodie
Origin of Love – Mika
Há quem caia de amores pelo trabalho de Mika – e há aqueles que adoram mostrar que gostam do cara porque está na moda e é cool. A faixa Elle Me Dit se tornou um dos grandes hits do álbum Origin of Love, chegando em primeiro lugar nas paradas francesas.

mika
Warrior – Ke$ha
Se você pensava (assim como eu) que Ke$ha era apenas mais uma semi-diva que surgiu mostrando o corpo, Warrior está aí para provar que estávamos enganados. O álbum foi muito bem recebido pela crítica, encabeçado pelo primeiro single Die Young, que tem ficado nas paradas de sucesso de vários países.

 

Infinito – Fresno
Uma das minhas bandas preferidas, os rapazes da Fresno lançaram em 2012 o inédito Infinito que, não muito diferente do que os rapazes já faziam, serve apenas para consolidar o talento dos roqueiros gaúchos – que se tornaram referência no cenário musical brasileiro. Primeiro álbum da banda após a saída de Tavares.

infinito
Pink Friday: Roman Reloaded – Nicki Minaj
Todo o orçamento possível e imaginável de Nicki foi usado para promover seu álbum Pink Friday: Roman Reloaded. A divulgação teve direito, inclusive, a lançamento de clipes praticamente a cada semana (não estou brincando). De fato, a rapper chegou a assumir, na época do lançamento do álbum, que pretendia “alcançar o mundo” com seu novo disco. Se conseguiu, aí é outra história…

 

Em Comum – Nx Zero
Mais um artista nacional lançou álbum novo em 2012. Dessa vez, a banda liderada pelo vocalista Diego Ferrero (ou o namorado da Mariana Rios, como você preferir) apresenta o álbum Em Comum, com a música Maré como primeiro single. Quinto álbum de estúdio da banda paulista e o primeiro desde 2009.

 

Vulnerable – The Used
A banda norte-americana liderada por Bert McCracken The Used lançou em março seu quinto álbum de estúdio, Vulnerable. Apostando naquilo que consagrou o grupo, os caras continuam mesclando batidas ora lentas, ora agitadas e pesadas com suas letras agressivas. Com o tema “Make a choice. Shine on!”, o disco foi bem recebido pela crítica e público, diferente do que aconteceu com o anterior, Artwork, que dividiu a opinião dos fãs.

 

Believe – Justin Bieber
Justin Bieber cresceu e está apostando numa abordagem mais “adulta” em sua carreira. Believe mostra que o garoto, contrariando a opinião de muita gente, tem potencial para ser um grande artista pop no futuro – mas precisa ter seu foco bem orientado.

believe
Some Nights – Fun.
Certamente, você deve ter ouvido por aí a música We Are Young, sucesso absoluto nas paradas internacionais da banda Fun. em parceria com Janelle Monáe – mesmo que não saiba de qual canção estamos falando. De fato, a música se tornou uma espécie de hino juvenil e principal canção do segundo álbum da banda indie.

 

Push And Shove – No Doubt
Ninguém entendeu quando a minha diva pessoal ❤ cantora Gwen Stefani anunciou o fim de sua próspera carreira solo para voltar ao No Doubt após mais de 10 anos separados. Push And Shove foi o primeiro álbum da banda desde 2001, com Rock Steady, e parece ter agradado aos fãs mais tradicionais.

E para quem quiser relembrar, aqui vai outros álbuns que já comentamos por aqui ao longo de 2012:

Take Me Home – One Direction
Beacon – Two Door Cinema Club
Blunderbuss – Jack White
Teenage Dream: The Complete Confection – Katy Perry