“Kung Fury”: Os Anos 80 Para Matar a Saudade

Eu sou um fã incondicional do cinema trash – e, neste caso, quanto mais ruim, melhor! Não à toa, um dos meus artistas preferidos é Robert Rodriguez, cineasta por trás de “bobeiras” como a saga Machete, Planeta Terror ou o aclamado Um Drink no Inferno – mas isso é uma outra história. Só fiz essa pequena introdução para que você, leitor, entenda minha empolgação com o projeto Kung Fury, do sueco David Sandberg, que estreia na direção cinematográfica com uma pérola em formato de curta-metragem que é uma ode de amor à cultura dos anos 80.

02

A história central de Kung Fury se passa na Miami da década oitentista e acompanha o detetive Kung Fury – um policial que ganha super poderes após ser atingido por um raio e mordido por uma cobra (oi?). Lá pelas tantas, Adolf Hitler (aqui também sob a alcunha de “Kung Führer”) invade o presente e ataca a delegacia em que o nosso herói atua. Com isso, Kung Fury decide viajar no tempo até a Alemanha, em plena Segunda Guerra Mundial, para liquidar de vez o líder nazista.

A sinopse não poderia ser mais nonsense: não há compromisso com nada. Quer assistir algo despretensioso apenas para passar o tempo e se divertir? Kung Fury é uma ótima pedida. Na verdade, sob o ponto de vista narrativo, cá entre nós, o filme é até “bobinho” – como se o roteiro fosse apenas uma passarela por onde o diretor tenta desfilar o maior conteúdo possível de referências à década de 80. E é nisso que o curta se sobressai: Kung Fury é pura nostalgia! A ideia é justamente essa: homenagear os anos 80 e toda sua cultura através de uma comédia que procura satirizar/parodiar os filmes policiais e de artes marciais desse período.

01

São as inúmeras as referências da fita – e é louvável a maneira como David consegue condensar todo este arsenal em pouco mais de 30 minutos de projeção. A estética visual é altamente atraente, seja nos figurinos e na fotografia (com a imagem repleta de defeitos, como os bons filmes “ruins” devem ser), alem da ótima trilha sonora – que ficou por conta do ator, cantor e produtor David Hasselhoff, que nos transporta ao synthpop do início da década de 80, com todos seus sintetizadores predominando em alto e bom som. Os efeitos especiais, por sua vez, são bastante competentes (principalmente se levarmos em conta que se trata de uma produção independente), com cenários feitos totalmente em chroma key – acentuando a atmosfera de amadorismo da película. Kung Fury possui ainda um humor fantástico: é cheio de boas e inteligentes piadas, lançadas nos momentos mais oportunos por personagens adoráveis, como nosso protagonista – o próprio David Sandberg, absolutamente hilário. Alem dele, vale também mencionar o policial Triceracop, as “vikings” gostosonas Katana e Barbarianna, Hackerman (nome óbvio) e até mesmo o icônico Thor (que com seu peitoral “épico”, segundo o próprio Kung Fury, atua melhor que o insosso Chris Hemsworth).

Ainda se fosse um fiasco, Kung Fury seria assunto: o filme foi rodado através de financiamento coletivo, pelo site Kickstarter, conseguindo arrecadar mais de US$ 600 mil – dinheiro muito bem empregado, diga-se de passagem. Kung Fury é divertido e inteligente e prova que não há limites para a criatividade – independente se você é um produtor hollywoodiano de sucesso ou simplesmente um nerd apaixonado por cinema.

Cry-Baby

John Waters é mais conhecido, provavelmente, por seu Pink Flamingos, de 1972, notoriamente uma das mais queridas obras do cinema trash do mercado norte-americano e clássico desse gênero – lançado no mesmo ano em que O Poderoso Chefão, de Coppola. No entanto, ­Cry-Baby é um bom exemplar da obra do diretor – ainda que o filme nunca tenha sido um sucesso de público e crítica.

A história é uma espécie de versão anos 50 de Romeu e Julieta – mas muito mais exagerada. Na trama (que se passa na cidade natal do diretor, Baltimore), Allison é uma jovem rica criada pela avó após a morte dos pais. Crescendo em um ambiente comportado e tradicional, ela se apaixona por Wade Cry-baby, o líder de uma gangue de delinquentes juvenis da cidade. Para ficar com Wade, ela tem que enfrentar os preconceitos da família e os ciúmes de seu namorado almofadinha que, junto com outros membros da cidade, trava uma verdadeira guerra contra o grupo de Wade para garantir a moral e os bons costumes de Baltimore – e, claro, salvar sua namorada.

02

Apesar da sinopse “séria” da história, não se deixe enganar: Cry-Baby é puro pastelão. O musical de Waters serve muito mais como uma homenagem aos filmes B sobre delinquência juvenil – subgênero que era bem popular nos EUA em décadas passadas. Trata-se ainda de uma sátira interessante aos musicais juvenis que fizeram muito sucesso e consagraram vários astros do cinema hollywoodiano (vide Grease – Nos Tempos da Brilhantina).

Cry-baby foi o primeiro longa de Waters para um grande estúdio – e talvez por isso, um dos méritos da película foi retirar Johnny Depp daquele status de galã que a série Anjos da Lei lhe proporcionou logo no início de carreira. Depp, no papel de Wade, é charmoso, bonito e exagerado, como o personagem exige. Aliás, não apenas Wade, mas todos os personagens do filme – em sua grande maioria, estereotipados o suficiente para renderem boas risadas das situações cômicas e improváveis pelas quais passam. Todos do elenco fazem um trabalho competente – mas sem grandes destaques, que ficam por conta do figurino e da trilha sonora.

03

Cry-Baby é razoavelmente inteligente e divertido, porém deveras mais leve do que se podia esperar de uma obra de John Waters (diretor que já fez o close de um ânus e filmou um travesti obeso degustando fezes de cachorro em seus filmes, entre outras bizarrices) – o que, provavelmente, desapontou os fãs mais ardilosos da obra do cineasta. Aliás, não apenas aos fãs, mas a produção também não agradou muito aos cinéfilos em geral – na época, cegos por seus pudores em relação ao diretor, alem da resistência natural ao gênero musical. Talvez por seu tom satírico, o filme parece ter sido feito às pressas – o que tornou o roteiro e suas personagens um tanto quanto artificiais, deixando alguns rasgos que poderiam ser melhor trabalhados. No entanto, Cry-baby não deve ser descartado como lixo cinematográfico – apesar de ter sido feito por um diretor que é especialista nesse assunto. Para nossa alegria, claro…

O Melhor Filme Ruim do Ano: “Machete Mata”

Você, cinéfilo, já deve ter se deparado com o termo exploitation. Esse substantivo é utilizado para designar um gênero de filme (geralmente feito com orçamento baixo e pouca qualidade cinematográfica) onde seus temas são tratados de forma absurda e sensacionalista. De uns anos para cá, o gênero tem ganhado um status “cult”, especialmente por conta de alguns fãs famosos – entre eles, nomes como Quentin Tarantino, John Waters e Robert Rodriguez. Este último, aliás, que dirigiu Machete Mata – segunda parte de uma trilogia que vem conquistando uma legião de fãs e admiradores do gênero.

04

Logo de cara, vou deixar claro: não vou me ater tanto nessa crítica a elementos técnicos do filme como obra de cinema. Analisar Machete Mata ou qualquer outro produto do gênero sob este aspecto é dispensável. Isso porque a grande sacada do exploitation é justamente… ser ruim, digamos. O objetivo aqui é “escrachar”, é ligar o “foda-se” e fazer um trabalho sem o menor interesse em ser bom. E é justamente essa falta de compromisso que faz com que este estilo de filme seja tão excepcional.

Falando especificamente de Machete Mata: aqui, temos novamente o anti-herói mexicano Machete (protagonizado pelo ator Danny Trejo), um cara durão o suficiente para virar uma lenda dentro de seu universo. Na história, ele é contratado pelo presidente norte-americano para matar Mendez, um revolucionário mexicano que ameaça o governo com ataques nucleares. No entanto, Mendez tem em seu corpo um aparelho que, caso seu coração pare de bater, é capaz de explodir uma bomba que pode detonar uma cidade. Dessa forma, Machete tem a missão de achar o único homem vivo capaz de desarmar esse dispositivo – revelando um vilão (propositalmente no melhor estilo James Bond) com planos de dominação do mundo.

03

Não tente entender a história. Tentar achar alguma lógica ou localizar alguma estrutura de roteiro aqui é uma tarefa em vão. É uma produção sem compromisso – e é justamente isso que rende ótimos momentos e risadas. Além da falta de estrutura no roteiro, o filme ainda apresenta diversas imperfeições na película – sabe aquele vídeo caseiro que parece ter sido feito no fundo do quintal de casa? YEAH! As cenas são toscas, os cortes são bruscos e os efeitos beiram a bizarrice (em determinada cena, o sangue – visivelmente falso – é lançado na câmera, em uma situação de extremo mau gosto).

02

Quanto aos personagens, não é bom falar muito para não estragar a surpresa. Danny Trejo é simplesmente ótimo na pele de nosso herói (justamente por não saber atuar e ser um cara muito feio – tua autoestima, caro leitor, vai lá em cima após assistir o filme), enquanto outros antagonistas (ainda que não sejam muito bem desenvolvidos ou apareçam pouco) também fazem um bom trabalho. Destaque para Mel Gibson bancando de vilão ridículo e Charlie Sheen, como um presidente não convencional e totalmente amoral. Para os meninos, ainda temos Jessica Alba, Michelle Rodriguez e (prepare o coração, amigo) Amber Heard – a loura sexy e ex-affair de Johnny Depp, que teria largado o bonitão para ficar com uma modelo, aumentando ainda mais o fetiche masculino. O ponto fraco das personagens, no entanto, é que por conta de seu pouco desenvolvimento, o espectador não consegue sentir muito “carinho” por eles (já que o excesso de imprevisibilidades na trama faz com que você nunca saiba o que vai acontecer com nenhum deles). Com exceção, obviamente do próprio protagonista – que apesar de progredir muito pouco em relação ao filme anterior, é tão “foda” que não tem como você não admira-lo.

01

Apesar de não estar indo muito bem nas bilheterias (o filme sequer estreou no país), Machete Mata é um longa que merece atenção, contendo tudo que um filme trash precisa ter para ser bom (ou ruim, como queiram): muito sangue falso na tela, mulheres gostosas desfilando com suas armas, mutilações, exageros e redundâncias, loucura excessiva e tudo aquilo que gostamos de ver sem compromisso. Os mais chatos vão torcer o nariz e criticar o diretor – injustamente, pois cá entre nós: Rodriguez está em um patamar onde não precisa mostrar muita coisa para ninguém (afinal, ele dirigiu Planeta Terror, Sin City, Prova Final entre outros tantos ótimos trabalhos). Se a intenção era fazer um filme “ruim”, Rodriguez conseguiu isso muito bem. Logo, se você procura diversão sem compromisso e apenas alguns bons momentos de risadas e alucinações, Machete Mata é um dos melhores filmes ruins do ano.