“Jurassic World” Sobrevive Sem Spielberg no Comando

Eu, particularmente, tenho certa cisma com Jurassic Park – O Parque dos Dinossauros. Em outras ocasiões, já critiquei os milhões gastos em computação gráfica para criar apenas cerca de 15 minutos de dinossauros na tela, nos fazendo engolir mais de duas horas de um roteiro questionável. Mas tenho que admitir que Jurassic Park foi um filme sem precedentes, um marco do gênero “pipoca” – como boa parte (e provavelmente a melhor) da obra de Steven Spielberg. Lançado há mais de vinte anos, é esse grande sucesso de bilheteria que serve de impulso ao novo filme da franquia: Jurassic World – O Mundo dos Dinossauros.

02

A premissa básica de Jurassic World é a mesma do primeiro, de 1993. Poderíamos até ser bonzinhos e dizer que se trata de uma “homenagem” ou mesmo uma referência livre à fita de Spielberg, porém Jurassic World não chega a ser isso. Na verdade, esse longa recria praticamente todos os passos de seu antecessor – e isso não chega a ser necessariamente ruim. A trama acontece dentro de um novo parque temático, na Costa Rica, onde dinossauros ganham vida através das maravilhas da ciência moderna. Tudo vai bem até que o mais temido entre eles (e que foi modificado geneticamente) escapa de seu abrigo e causa o terror entre os visitantes. Agora, vamos analisar os itens utilizados na história: um par de crianças que se perde na ilha, tem sim; tensão romântica entre dois protagonistas, confere; cientistas que adoram brincar de deuses, certo; vilão infiltrado na equipe principal, beleza. Então, fica a questão: por que retomar a franquia? E mais: esse novo filme vale a pena?

Vou responder ao primeiro questionamento: a ideia de trazer novamente este universo aos cinemas não é recente e, em minha opinião, há duas razões para isso. Primeira delas, romântica: apresentar ao público de hoje toda a magnitude do projeto. Eu confesso não ser o maior fã da saga, mas tenho que admitir que ela é ótima, sim. Eu torço o nariz para blockbuster mas assumo que eles estão aí para entreter o público e quando isso acontece eu realmente saio satisfeito do cinema – e foi exatamente assim que me senti após a sessão de Jurassic World. Definitivamente, o filme cumpre sua promessa e ponto. Segunda razão, esta mais realista: faturar! Simples assim – do contrário nada justificaria uma produção como esta tão pouco tempo após o original ser relançado em 3D.

01Agora, vem a segunda pergunta: Jurassic World merece ser conferido? Serei enfático: sim. Não vou tentar comparar muito as duas fitas. Jurassic Park foi um marco em sua época, um divisor de águas em Hollywood, título obrigatório independente do tipo de cinema que você curta. Perto dele, Jurassic World, o novo, é uma mera cópia quase, mas que se destaca por ser tão empolgante quanto o primeiro. Se a obra de Spielberg conquistou pela originalidade, pela novidade do projeto, Jurassic World deve ser elogiado pelo seu valor como blockbuster atual. O cineasta Colin Trevorrow (que substitui Spielberg, que agora assina apenas a produção executiva) faz um apanhado de tudo o que Steven fez lá atrás, deu uma potencializada no material e criou um filme eletrizante, que durante 120 minutos não faz você desgrudar o olho da tela. Os saudosistas podem (e vão) se desesperar, mas Jurassic World é bom. É repleto de ação, tem piadas que rendem boas risadas e agrada todo mundo.

Há quem diga que Jurassic World não tem o charme, magia e emoção que o longa de Spielberg. De fato, o filme não é isento de pequenos defeitos, como o desenvolvimento de certos personagens (o vilão, por exemplo, é quase o mesmo da novela Mil e Uma Noites), a narrativa que não foge dos clichês e soluções fáceis e até os efeitos especiais, que não são excepcionais (Spielberg fez muito, mas muito melhor há duas décadas atrás, em uma época em que os recursos eram menos acessíveis e sofisticados – os dinossauros do cineasta veterano são muito mais reais e assustadores). O roteiro ainda tenta propor alguma reflexão, novamente na apostando na velha tese que discute os limites da ciência e a ganância do ser humano, mas é superficial nesta empreitada. Mas se você não quiser esquentar a cabeça e estiver procurando um filme para toda a família, que seja capaz de entreter e divertir, vá por mim e adentre este fantástico mundo dos dinossauros.

Encurralado

4Lá no começo da década de 70, o cinema começava a passar por uma transformação. Nessa época, surgiam alguns diretores que influenciariam todas as gerações seguintes (inclusive a nossa) e reinventariam o conceito de cinema, popularizando a arte e criando o gênero “pipoca” (aquele tipo de cinema voltado para toda a família). Dentre os principais expoentes dessa geração (conhecida como “Nova Hollywood”), um dos nomes mais cultuados é o de Steven Spielberg que, em 1971, lançou o suspense Encurralado – uma produção que, apesar de não ter a mesma magnitude de seus grandes clássicos lançados posteriormente, já lançava os holofotes sobre o jovem cineasta.

Eu disse que Encurralado não tem a mesma magnitude de outras obras de Spielberg? Quanta injustiça! Encurralado é, talvez, um dos melhores exemplos da obra do diretor, reunindo tudo aquilo que Spielberg faria em sua vasta carreira. Adaptado de um conto, Encurralado foi o primeiro longa do diretor, feito diretamente para a TV (foi lançado para um programa semanal da ABC). Na época, o jovem e até então desconhecido Spielberg conseguiu carta branca do canal para produzir o telefilme com um prazo de 10 dias (há a lenda de que Spielberg teria estourado o cronograma em 3 dias e outras maluquices…) e, contrariando todas as expectativas de frustração, Spielberg entrega uma das melhores histórias de perseguição do cinema – e um dos filmes mais influentes de sua carreira.

A história é simples: David é um pai de família que está dirigindo em uma rodovia rumo a uma reunião de negócios. Pouco se sabe a respeito do nosso protagonista. No meio da viagem na região desértica estadunidense (recheada de longas e retas estradas e paredões), ele ultrapassa um caminhão-tanque enferrujado, que a partir de então passa a persegui-lo durante todo o caminho. Esta aí uma das melhores qualidades de Spielberg: tornar crível o fato mais improvável. Afinal, os 90 minutos de filme não passam disso: perseguição. Encurralado sequer é uma produção recheada de diálogos (o que quebra o gelo é o duvidoso artifício de expor os pensamentos do protagonista em alto som) – mas isso não o torna um filme ruim ou mesmo cansativo.

2
Encurralado não possui cenas elaboradas de perseguição (alguém aí falou em Velozes e Furiosos?), nem uma trilha sonora arrebatadora ou mesmo diálogos marcantes. No entanto, há um excelente trabalho de edição e de cortes, que criam uma tensão atordoante. A sensação de perseguição é feita através de várias sequências de takes que fazem o espectador por a língua para fora (literalmente, claro). Com esses artifícios, Spielberg consegue fazer o inacreditável: tornar o caminhão o grande vilão da história, transformando-o em um monstro de proporções gigantescas – ocultando a identidade de seu  motorista durante todo o filme, o que aumenta ainda mais a tensão. Ou seja, o grande  pedaço de metal enferrujado ganha vida própria, causando medo e pavor no protagonista e em toda a platéia.

O fato de não mostrar o condutor do veículo durante todo o evento torna Encurralado ainda mais intrigante, assim como toda sua narrativa. É um dos artifícios que Spielberg utiliza para manipular a emoção do espectador de forma simples e direta. Spielberg (que mais tarde ficaria famoso com seus blockbusters) consegue mexer com o espectador sem fazer muito esforço, em um longa que não te deixa desgrudar os olhos da tela. Com um final espetacular (que não vou contar aqui, ok?), Encurralado é um ótimo filme para os padrões Spielberg – e uma boa esperança para o cinema da década de 70.